O Céu

maio 11, 2011

Mais uma tardinha.

Era mais um dia chegando ao seu fim, completando seu ciclo vicioso que resiste à passagem do tempo. O sol a lua, as nuvens e as estrelas – protagonistas e figurantes daquela peça, que se repetia diariamente, mas que jamais tinha um espetáculo igual ao outro. Claro que os espectadores mais frequentes e estudiosos já sabiam as dicas – a movimentação previsível dos artistas. O sol fica mais tempo em cena em determinada parte do ano, por exemplo. Se as estrelas se escondiam atrás das nuvens do céu noturno, certamente estavam fugindo de alguma manifestação pluvial eminente. E o que dizer do trabalho dos contra-regras? Trocar o pano de fundo de azul, para um lilás rabiscado de laranja, e enfim para o preto.

Era repetivivo.

Continue lendo »

High-Fives – Bandas/artistas com piano

outubro 26, 2010

Este é o primeiro post de uma série chamada High-Fives (um trocadilho bem infame que eu não vou ter coragem de explicar), na qual eu vou apontar cinco destaques em uma determinada área de atuação, geralmente do mundo do entretenimento. Entre outros, música, filmes e livros vão aparecer por aqui.

Vale lembrar que isto NÃO É um top 5. Os cinco itens listados têm o seu espaço reservado igualmente, sem qualquer tipo de ordem de preferência. Aa listagem numérica é por mero propósito de organização.

Decidi estrear destacando cinco bandas e artistas que usam o piano como instrumento principal das suas músicas. Boa leitura!

Continue lendo »

Algum tempo depois…

outubro 21, 2010

Eu não tenho desculpas.

Por mais que as mudanças na minha vida, como um novo emprego de período integral; a intensificação das atividades na faculdade com vários projetos sendo elaborados simultaneamente (com a inevitável cobrança dos professores, coordenadores, e até mesmo colegas de turma); e outros diversos perrengues enfrentados por um pimpolho criado a leite com pêra que acaba de entrar de cabeça no mundo da maioridade; eu não acho que posso usar isso como justificativa pra nada.

As pessoas têm seus afazeres, suas obrigações. Mas se um indivíduo como eu não possuir a manha de controlar bem o seu tempo livre para se dedicar às coisas boas da vida, todo o propósito de se esforçar para construir uma carreira sólida cai por terra. Eu até poderia descrever detalhadamente o meu cotidiano nos últimos sete meses (!) sem escrever nada no blog, mas seria apenas mais um texto vazio dizendo “desculpe pelo transtorno, estamos trabalhando melhor para atender você”.

Quando digo não ter desculpas, não me refiro somente a me desculpar às pessoas que acompanhavam o blog – que eram (e continuam sendo) poucas, mas são valiosos amigos que sempre me incentivaram a escrever – mas principalmente a mim mesmo.

Eu amo escrever. Posso não ser grandes coisas, meus textos seguem uma fórmula muito repetida, mas elaborar um texto é uma catarse a qual eu me satisfaço plenamente a me submeter, e por isso, pela enésima vez, estou tentando voltar a postar. Sem prazos, sem tentativa de postar com regularidade, apenas escrevendo sempre que me surgir algo na mente.

Alemão safado

março 30, 2010

Quarta-feira à noite, restaurante de bairro nobre paulista. Um homem grisalho e sua família sentam na área de esperam, é noite concorrida no estabelecimento.

Toca uma música do Bach ao fundo. Continue lendo »

Vida de peão

março 26, 2010

Desde o começo deste blog, eu venho postando esporadicamente textos de diversos formatos e conteúdos. Escrevo crônicas que basicamente falam sobre nada, ou seja, um excerto de uma situação verídica ou ficcional, geralmente contada em um tom humorístico (e às vezes, admito, meio forçado). Também faço algumas dissertações, sobre alguns temas que me chamam a atenção, um exemplo é o post sobre a Geysi Arruda, que acabou se tornando o mais visitado do site até então.

Fora isso, quando não tenho tempo ou inspiração para digitar algo mais elaborado, simplesmente escrevo rapidamente sobre um pensamento qualquer que tive, estendendo a idéia, tentando fazer ela tomar proporções de epifania.

Pretendo fazer isso com mais frequência a partir de agora.

Continue lendo »

Smartphone sem bluetooth

março 10, 2010

Eu sou um graduando em Engenharia de Controle e Automação.

E eu sou um hipócrita.

É verdade. Eu sou um hipócrita de marca maior e tenho cara de pau o suficiente pra assumir isso. Afinal, só um detentor de uma personalidade patológica poderia escolher como carreira uma profissão que vai, mesmo que parcialmente, contra seus princípios morais. Calminha, que eu já expico.

Continue lendo »

Patuléia Virtual

janeiro 21, 2010

Geraldo estava de folga naquela quinta. Na verdade, estava em telecomutação – que na teoria, é trazer trabalho para fazer em casa; na prática, é uma desculpa para ficar sem fazer nada, deixando as aparências mostrarem que ele está sendo produtivo. O laptop no qual ele deveria estar atualizando as planilhas arcaicas do setor de T.I. da sua empresa estava em modo de espera, e Geraldo estava em frente à TV com os dedos da mão direita enfiados na calça e a mão esquerda alternando entre o domínio de um sanduíche de queijo e lombinho e um controle remoto, consequentemente engordurado picas.

Eis que então surge uma voz:

– Painho, posso usar o laptop? – era o filho adolescente do Geraldo, o Luiz.
– Não mexe no equissel.
– Viu!

E o Luizinho reativou o laptop, rapidamente acessando o MSN Messenger pra confabular com os amiguinhos. Sem demora surgem novas janelas piscando em laranja – sinais de que a patuléia virtual clama por suas palavras. Era um cara popular.

Continue lendo »